Buscar
  • Maria Eduarda Ramos

Intercâmbio na UFRJ

O intercâmbio pode ser definido como “ato de viajar para outro país e residir nele durante um tempo previamente determinado, com a finalidade de estudar, trabalhar ou adquirir conhecimentos relativamente à cultura local”. Independente da modalidade de intercâmbio escolhida, é uma experiência que te permite conhecer mais sobre a cultura e os hábitos do país que você visitar. Uma baita de uma oportunidade, não acha?



Dentro dos diversos tipos de intercâmbio, creio que o que mais nos interessa no momento é o intercâmbio acadêmico. Oferecido por diversas universidades públicas e privadas pelo Brasil, o intercâmbio acadêmico permite que seus estudantes cursem parte de sua graduação ou pós-graduação no exterior, com possibilidades de bolsas e auxílios financeiros. Já imaginou, parte do seu curso em outro país? Parece coisa de outro mundo, mas não é!


Mas e dentro de nossa querida UFRJ? Bem, a maior universidade do Brasil não deixa seus alunos na mão quando o assunto é intercâmbio. A UFRJ possui a Diretoria de Relações Internacionais, ou DRI, cujo objetivo é inserir seu corpo discente e docente no cenário acadêmico-profissional internacional. É ela quem estabelece o diálogo com as universidades do exterior, permitindo que seus alunos se apliquem para os mais diversos programas de intercâmbio, de acordo com os cursos disponibilizados na universidade. Você pode verificar os editais de intercâmbios abertos no site da DRI aqui.


Além da DRI, a escola politécnica da UFRJ conta com a Diretoria Adjunta de Relações Internacionais (DARI), que tem o objetivo de implementar e desenvolver a internacionalização da Escola Politécnica. Ela deseja que seus alunos participem de experiências que contribuam simultaneamente para o crescimento pessoal dos participantes e dos países envolvidos no intercâmbio. Você pode verificar os editais da DARI em andamento aqui.


Bem, agora você deve estar pensando: “Mas como é a experiência? Como deve ser ir para um país estranho, aprender mais sobre a cultura de lá? Será realmente vale a pena? ” e coisas do tipo. Foi pensando nisso que pedimos que Felipe Dresch, que recentemente voltou da Alemanha, fizesse um depoimento sobre sua experiência como aluno de intercâmbio pela UFRJ. Vem conferir como foi:


“Entrei na Universidade logo após o fim do saudoso ”Ciências sem Fronteiras”, então era comum ver muitos alunos retornando do intercâmbio e contando sobre as experiências incríveis que puderam vivenciar fora do país. Desde então, tive um objetivo de fazer intercâmbio na Alemanha, já que minha família tem ascendência de lá.


Após muitos anos, consegui meu intercâmbio para a Universidade de Stuttgart, na Alemanha. A universidade foi bastante acolhedora e constantemente organizava eventos para os estudantes internacionais, fazendo com que eu pudesse conhecer pessoas de todas as partes do mundo. Foi incrível aprender coisas novas sobre a cultura alemã e sobre a cultura de tantos outros países e criar conexões reais com pessoas que dificilmente eu teria encontrado de outra forma. Como estudante de intercâmbio tive liberdade total na escolha das disciplinas que participaria. Tive a chance de fazer disciplinas não só da graduação em Engenharia Química, que é meu curso, mas também disciplinas de outros cursos e do mestrado. Com isso, pude escolher os tópicos que julgava mais úteis ou mais interessantes para o meu desenvolvimento profissional.


Eu nunca havia morado sozinho antes, então também foi uma experiência muito engrandecedora em nível pessoal. Ter que se virar em um país diferente, sem conhecer ninguém e com dificuldades na língua certamente não foi uma tarefa fácil, mas me fez aprender muito sobre mim mesmo. Fiquei lá por 2 semestres, sendo um deles após a pandemia de COVID-19 já ter começado, o que tornou a experiência um desafio ainda maior. Mesmo tendo sido prejudicado por esse imprevisto, considero que meu tempo de intercâmbio valeu muito a pena. A todos que tiverem a chance de aplicar para um programa de intercâmbio, seja para outra universidade no Brasil, ou para qualquer outro país, não percam a chance e se inscrevam sem pensar duas vezes.”


Depois desse relato incrível, você não vai perder a chance de se candidatar a uma vaga de intercâmbio, né? Fica de olho nos próximos editais, quem sabe a próxima pessoa a dar um depoimento pra gente é você?


55 visualizações